ACESSO DE CONDÔMINOS:

Prazos trabalhistas que todo trabalhador precisa saber

Enquete

O que você achou do nosso novo site?
Ótimo
Bom
Regular

Obrigações do Dia

  • 25/Setembro/2019
  • IOF | Imposto sobre Operações Financeiras.
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
  • COFINS.
  • PIS/Pasep.
  • IPI | Imposto sobre Produtos Industrializados.

Indicadores Econômicos

Moedas - 23/09/2019 13:22:23
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 4,149
  • 4,151
  • Paralelo
  • 4,140
  • 4,370
  • Turismo
  • 4,130
  • 4,380
  • Euro
  • 4,555
  • 4,559
  • Iene
  • 0,039
  • 0,039
  • Franco
  • 4,183
  • 4,188
  • Libra
  • 5,163
  • 5,167
  • Ouro
  • 201,260
  •  
Mensal - 23/09/2019
  • Índices
  • Jul
  • Ago
  • Inpc/Ibge
  • 0,10
  • 0,12
  • Ipc/Fipe
  • 0,14
  • 0,33
  • Ipc/Fgv
  • 0,31
  • 0,17
  • Igp-m/Fgv
  • 0,40
  • -0,67
  • Igp-di/Fgv
  • -0,01
  • -0,51
  • Selic
  • 0,53
  • 0,49
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,59
  • 0,59
  • TR
  • -
  • -

O presente texto visa apenas apresentar breve exposição dos principais prazos trabalhistas, que muitos empregados não sabem acerca de seus direitos.

O Prazo para assinatura na carteira de trabalho: 

R: Até 48 horas

O Prazo para ingressar com ação trabalhista após a saída do emprego:

R: 2 anos após a saída no emprego, o qual poderá reivindicar até os cinco últimos anos trabalhados

O Prazo para reivindicar na Justiça o FGTS/INSS não recolhidos:

R: 2 anos após a saída no emprego, para reivindicar até os cinco últimos anos trabalhados

O Prazo para pagamento do “acerto trabalhista” (verbas rescisórias):

R: 10 dias contados a partir do fim do contrato de trabalho (ultima dia trabalhado, data da assinatura do aviso prévio trabalhado ou indenizado, ou, data baixa na carteira de trabalho sem a projeção do aviso)

O Prazo para concessão de férias – REGRA GERAL (exceto previsões em norma, acordo ou convenção coletiva):

R: O direito de férias é concedido quando o empregado completa um ano de trabalho na empresa. Esse período de trabalho é denominado concessivo. Após esse prazo de um ano, a empresa tem até um ano para dar as férias ao empregado (denominado período concessivo).

O Prazo para pagamento das férias:

R: As férias devem ser pagas em até dois dias antes do início das férias.

Quantidade de faltas injustificadas que excluem o direito de férias – REGRA GERAL:

R: Acima de 32 faltas injustificadas no período aquisitivo (prazo de 12 meses trabalhado que dá ao empregado o direito a tirar as férias). Há outras hipóteses previstas em lei que retiram o direito de férias, que não será tratado nesse resumo.

Quantidade máxima de dias das férias que podem ser “vendidas”:

R: A CLT autoriza a “venda” de 1/3 das férias a ser convertido/pago em dinheiro.

Prazo e forma de pagamento do 13º salário:

R: O 13º salário pode ser pago ao empregado em até duas parcelas.

Devendo a primeira parcela ser paga entre 01 de fevereiro á 30 de novembro de cada ano; e a segunda parcela até 20 de dezembro de cada ano.

No caso de o empregador optar por pagar o 13º salário em parcela única deve ser paga até 30 de novembro.

Observação: Se a data limite para o pagamento do 13º salário cair em domingo ou feriado, o empregador deve antecipá-lo. Se não o fizer, está sujeito a multa.

Hipóteses de descontos/ perda do 13º salário:

R: Quando o empregado tiver mais de 15 faltas não justificadas no mês, poderá ter descontado de seu 13º salário a fração de 1/12 avos, relativa ao período.

Quando o empregado for dispensado por justa causa não tem direito ao 13º salário.

Conceito do adicional de insalubridade e atividades que demandam do pagamento deste adicional:

R: O adicional de insalubridade é um direito concedido a trabalhadores que são expostos a agentes nocivos à saúde (previstas na NR15 – NORMA REGULAMENTADORA 15 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES).

Graus/percentuais de insalubridade:

R: Há três graus: mínimo, que dá adicional de 10%, médio (20%) e máximo (40%).

Conceito de periculosidade e atividades que demandam do pagamento do adicional de periculosidade:

R: É considerada atividade perigosa aquela em que o trabalhador não está diretamente exposto a agentes nocivos, mas corre risco de sofrer ferimentos ou de morrer (Previstas na NORMA REGULAMENTADORA 16 – ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS).

OBSERVAÇÃO: Os adicionais de periculosidade e de insalubridade não são cumulativos: ou o trabalhador recebe um ou recebe outro.

Graus/percentuais de periculosidade:

R: Nesse caso, o adicional é calculado sobre 30% do salário-base.

Quantidade máxima de horas extras diárias – REGRA GERAL segundo a CLT: 

R: Até 2 horas extras por dia

Fonte: Jornal Contábil | 12/06/2019

Site desenvolvido pela TBrWeb  (XHTML / CSS)
Controller Administradora de Condomínio
Rua Antonio Abude, 14 – Jd. Barbosa - Guarulhos / SP - Cep. 07114-400  |  Fone 11. 2442 2230 / 11. 2229 0102